Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.3/4707
Título: Parecer sobre o Projeto de Resolução Nº 96-X - Plano Estratégico de Combate às Pragas dos Açores (PECPA)
Autor: Tavares, João
Soares, António O.
Silva, Luís
Fonseca, Amélia
Melo, Fátima
Oliveira, Luísa
Vieira, Virgílio
Palavras-chave: Biodiversidade
Cinegética
Combate às Pragas
Ecossistemas
Espécies
Património Natural
Plano Estratégico
Região Autónoma dos Açores
Subespécies Endémicas
Data: 2-Fev-2015
Editora: Universidade dos Açores
Citação: Tavares, J., A.O. Soares, L. Silva, A. Fonseca, F. Melo, L. Oliveira & V. Vieira (2015). Parecer sobre o Projeto de Resolução Nº 96-X - Plano Estratégico de Combate às Pragas dos Açores (PECPA). Universidade dos Açores, Departamento de Biologia, 2 de fevereiro, 3pp.
Resumo: ... É reconhecido que o combate às pragas assume uma importância crucial, particularmente nos ecossistemas insulares, e que a sua concretização requer a participação proactiva dos especialistas em diversas áreas científicas, dos vários serviços oficiais (Governo Regional e Autarquias), das associações não-governamentais e da comunidade em geral. No PECPA são citadas várias espécies animais, algumas das quais são espécies ou subespécies endémicas do arquipélago açórico e que, apesar de tudo, devem merecer a devida cautela na sua conservação, pois os repovoamentos sucessivos ou a exploração cinegética continuada podem conduzir à sua extinção. A consequente perda desse património natural e único constituirá um revés definitivo para a biodiversidade dos ecossistemas dos Açores. Outras espécies deverão ser encaradas de maneira diferente, pois foram introduzidas pelo homem, casos do pardal e dos ratos; sendo espécies generalistas, oportunistas e comensais vieram alterar sobremaneira as interações entre o meio biótico e abiótico, existentes antes da sua introdução. A título de exemplo, refira-se que o milhafre e o mocho se alimentam principalmente de ratos. Contudo, está provado que quando estas aves comem ratos envenenados, elas sobrevivem com um certo nível de veneno no sangue, mas a toxicidade deste passa a ser três ou mais vezes superior na ave de rapina...
Descrição: Parecer pedido pela Comissão Permanente de Economia da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores (ALRAA), sobre o Projeto de Resolução Nº 96-X - Plano Estratégico de Combate às Pragas dos Açores (PECPA), apresentado pelo Grupo Parlamentar do PSD, dirigido à Universidade dos Açores através do ofício nº 166, de 14-01-2015.
Peer review: no
URI: http://hdl.handle.net/10400.3/4707
Aparece nas colecções:DBIO - Outros documentos / Other documents

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
parecerDB_projResolucaoPSD-pragasAgricolas.pdf98,81 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.