Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.3/610
Título: A poesia de Alberto de Serpa : a ordem das coisas
Autor: Pimentel, Fernando Jorge Vieira
Palavras-chave: Alberto de Serpa (1906-1992)
Poesia Portuguesa (séc. XX)
Data: Jan-1983
Editora: Universidade dos Açores
Citação: "ARQUIPÉLAGO. Série Ciências Humanas". Nº. 5 (Jan. 1983): 95-112
Relatório da Série N.º: Ciências Humanas;Nº. 5
Resumo: “Não é segredo para ninguém que se vive um tempo caracterizado, em grande medida, pela invenção a todo o custo, um tempo onde o Homem, morto e enterrado Deus, parece baralhar o jogo e distribuir as cartas. Do cosmos possível se faz o caos, numa disputa em que, senhores da guerra, somos muitos, apostamos forte e vencemos nunca. Mas, nem por isso – anima certa, animus incerto, – desanimamos. Na humana e insaciável mira dos falanstérios, desfiguramos o real envolvente, retalhamo-lo, após o que, numa operação de saldo nem sempre claro, lhe passamos o respectivo atestado de menoridade. Com efeito, a mimesis, conforme múltiplas gerações, na esteira sobretudo da dupla Aristóteles/Horácio, a entenderem no Ocidente, ao estar sujeita, desde a segunda metade do século XVIII, a golpes de progressiva eficácia, tem-se acantonado, tímida e envergonhada, num fundo de cena cada vez menos discernível. […]”
URI: http://hdl.handle.net/10400.3/610
Aparece nas colecções:ARQ - SCH - N 05 (1983)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
FernandoJorgeVieiraPimentel_p95-112.pdf184,15 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.