Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.3/3143
Título: Stresse, burnout e estratégias de coping nos guardas prisionais da Região Autónoma dos Açores
Autor: Arruda, Paulo Fernando Medeiros
Orientador: Peixoto, Ermelindo Manuel
Palavras-chave: Coping
Guarda Prisional
Síndrome de Burnout
Stress Profissional
Açores
Burnout
Coping Strategies
Geographical Discontinuity
Prison Guards
Stress
Data de Defesa: 18-Jun-2014
Citação: Arruda, Paulo Fernando Medeiros. "Stresse, burnout e estratégias de coping nos guardas prisionais da Região Autónoma dos Açores". 2014. 133, [1] p.. (Mestrado em Psicologia da Educação: Contextos Educativos) - Ponta Delgada: Universidade dos Açores, 2014.
Resumo: A síndrome de burnout que advém do stresse profissional na fase considerada crónica, sobressai cada vez mais no mundo de trabalho, ganhando destaque em diversas profissões, sendo uma destas a guarda prisional, que é mencionada como uma das ocupações laborais com maior propensão ao burnout. Perante esta realidade, torna-se relevante perceber os níveis de vulnerabilidade ao stresse, stresse profissional e burnout existentes nos guardas prisionais ao serviço na Região Autónoma dos Açores, ampliando, nesse particular, o conhecimento existente sobre esta classe de profissionais em Portugal. Importa também, entender as estratégias de coping utilizadas por estes profissionais e perceber as dificuldades decorrentes da descontinuidade geográfica em relação ao restante território português. Participaram neste estudo 76 guardas prisionais que trabalham nos estabelecimentos prisionais da RAA e pertencem ao quadro da Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais. Como medidas de avaliação foram utilizadas, um questionário sociodemográfico, uma classificação contendo itens que incidem sobre as fontes de stresse no trabalho, a escala de Stresse Profissional para Guardas Prisionais (ESPGP), a escala da Vulnerabilidade ao Stresse (QVS), o inventário de Burnout (MBI) e o questionário de Estratégias de Coping (QEC). Em termos gerais, os resultados indicam a incidência de stresse e burnout entre os guardas prisionais da RAA. Relativamente às estratégias de coping os guardas prisionais são congruentes na utilização de diversos tipos de coping, contudo nas variáveis sociodemográficas idade e anos de serviço existiram diferenças significativas neste particular. Por último os resultados sugerem vulnerabilidade ao stresse e ocorrência de stresse profissional entre os guardas prisionais, pelo facto de exercerem funções em ilhas (descontinuidade geográfica).
ABSTRACT: The burnout syndrome associated with chronic work-related stress is increasingly evident in many different professions, gaining prominence among them. Among these professions, prison guards stand out as being one of the occupations with greater propensity for burnout. In this sense, it becomes important to understand the levels of vulnerability to stress, work-related stress and burnout among prison guards working in the Azores (RAA) correctional system, in order to increase existing knowledge about this class of professionals in Portugal. One needs also to understand the coping strategies used by these professionals and to recognize the difficulties ensuing from the fact that they work in an island region distant from the remaining Portuguese territory. Participants in this study consisted of 76 prison guards who work in prisons in the RAA under the jurisdiction of the General Directorate of Rehabilitation and Prison Services. The following scales and questionnaires were used in this study as a means of obtaining relevant data: a socio-demographic questionnaire; a classification system for items focusing on specific sources of stress at work; the Professional Stress Scale for Prison Guards (ESPGP); the scale of Vulnerability to Stress (QVS); the MBI Burnout Inventory and the Coping Strategies questionnaire (CSF). In general, results indicate a high incidence of stress and burnout among prison guards in the RAA. With regard to coping, findings suggest that prison guards serving in the islands use of various types of coping strategies. Nevertheless, socio-demographic variables such as age and number of years on the job appear to have no significant effect regarding their choice of coping strategies. Finally, results suggest that geographical discontinuity from the mainland supports the existence of a relationship between vulnerability to stress and the occurrence of work-related stress among prison guards.
Descrição: Mestrado, Psicologia da Educação (Contextos Educativos), 18 de Junho de 2014, Universidade dos Açores.
URI: http://hdl.handle.net/10400.3/3143
Aparece nas colecções:DCE - Dissertações de Mestrado / Master Thesis

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DissertMestradoPauloFernandoMedeirosArruda2014.pdf1,65 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.