Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.3/3084
Título: Necessidades de formação em educação para a saúde em contexto escolar: contributos para os currículos de enfermagem
Autor: Freitas, Lúcia de Fátima Mota Ferreira
Orientador: Serpa, Margarida Damião
Pereira, Hélder Rocha
Palavras-chave: Educação para a Saúde (Contexto Escolar)
Formação em Enfermagem
Health Education at Schools
Nursing Training
Data de Defesa: 9-Dez-2013
Citação: Freitas, Lúcia de Fátima Mota Ferreira. "Necessidades de formação em educação para a saúde em contexto escolar: contributos para os currículos de enfermagem". 2013. 349 p.. (Tese de Doutoramento, Educação: Desenvolvimento Curricular). Ponta Delgada: Universidade dos Açores, 2013.
Resumo: A educação para a saúde (EpS) em contexto escolar tem tido uma atenção crescente nas políticas públicas de educação e é reconhecida como uma área complexa e fundamental para o desenvolvimento de competências promotoras de saúde nas crianças e jovens. Esta área tem-se revelado num grande desafio para os profissionais de enfermagem. Deste modo, a formação em EpS, no quadro da formação inicial e/ou contínua em enfermagem, deverá ser construída de modo a que atenda às reais necessidades e às novas expetativas de desempenho profissional. O presente estudo, de cariz qualitativo, pretende, por um lado, conhecer problemáticas e explicações teóricas patentes na definição de necessidades de formação e na abordagem à EpS, no quadro da formação em enfermagem. Por outro, visa compreender como diferentes atores implicados na EpS em contexto escolar a perspetivam, como definem o perfil desejado de educador para a saúde e como descrevem as suas práticas, dificuldades e preocupações neste âmbito, a fim de se determinarem necessidades de formação na área em estudo. Para o efeito, foram realizadas entrevistas semiestruturadas a enfermeiros, professores, pais e alunos da ilha de S. Miguel (N=38). No tratamento da informação utilizou-se a análise de conteúdo com o recurso ao software Maxqda 10. Os resultados do estudo demonstram que os pais e os alunos revelam uma conceção de EpS do tipo mais transmissivo e os professores numa do tipo mais crítico e emancipatório. Os enfermeiros apresentam estes dois tipos com a mesma evidência. Os professores, pais e alunos consideram que EpS em contexto escolar é útil porque transmite conhecimentos e os enfermeiros porque promove a saúde. Enquanto os enfermeiros, professores e pais se revêm num perfil de educador para a saúde que apela ao desenvolvimento de características empático-relacionais (empatia, dinamismo, assertividade, entre outras), os alunos valorizam mais as competências didático/comunicacionais (capacidade de expressão e clareza na explicação). As estratégias de ensino mais referidas são a exposição com recurso ao Data show e os trabalhos de grupo. A área da saúde afetivo-sexual e reprodutiva é a destacada por todos como a prioritária a abordar. Os pais também priorizam a prevenção de consumos nocivos e os professores a prevenção da violência em meio escolar. A participação dos pais foi vista como reduzida. Estes consideram-na importante mas lastimam não serem mais solicitados. As preocupações mais apontadas pelos pais associam-se aos comportamentos de risco dos adolescentes e a dos professores e enfermeiros estendem-se à eficácia do ato formativo, independentemente da temática abordada. As dificuldades mais sentidas pelos enfermeiros e pais relacionam-se com a falta de formação, sobretudo ao nível da sexualidade, e as dos professores com as condições de trabalho. A análise de necessidades de formação seria, assim, uma operação prévia e imprescindível à determinação de objetivos de formação, capazes de estruturarem e melhor adequarem programas de formação.
ABSTRACT: Health Education at schools has had a greater attention from public education policies and is considered a complex and fundamental area for the development of skills in the promotion of children and youth health. This area as posed a great challenge for nurses. Thus, nursing training (basic or specialized) programs should consider the inclusion of Health Education so as to meet the real needs and new expectations of professional performance. This qualitative study aims to identify issues and theoretical explanations that are present in the definitions of training needs as well as in the approach to Health Education within nursing education. On the other hand, it aims to understand how different actors involved in Health Education at schools see it, how they define the aimed profile of a health educator as well as how they describe their activities, constraints and worries, in order to determine training needs for this area. Thus, semi structured interviews were conducted, including nurses, teachers, parents and students of S. Miguel island (N=38). To treat the collected data, we used content analysis, through the use of Maxqda 10 software. The results of this research have shown that parents and students view Health Education in a more informative way, whereas teachers prefer a more critical and emancipatory approach. As for nurses, they are equally divided amongst these two types. Teachers, parents and students find Health Education at school useful because it conveys knowledge, whereas nurses value mostly the promotion of health. Nurses, teachers and parents see the health educator as someone with strong empathy and relational skills (empathic, dynamic, assertive, amongst other skills), unlike students, who value didactic/communication skills in health care educators (easiness in expressing ideas and clarity of explanations). Most mentioned teaching strategies were explaining ideas using a Data Show and group work. All consider emotional-sexual and reproductive education as fundamental areas in Health Education. Parents also consider the area of drug abuse as important, whereas teachers prefer to invest in preventing violence at schools. Parents’ participation in health education at schools was considered scarce. They see it as important, but regret not being more involved. They are mainly worried about risk behaviour amongst adolescents, whereas teachers and nurses are more focused in the efficiency of teaching strategies, no matter what the theme may be. Nurses feel constraints related to the lack of training, mostly in sexuality. As for teachers, they worry about working conditions when promoting health education at schools. Therefore, previously analyzing training needs is fundamental for the definition of training goals that can structure and improve training programs.
Descrição: Tese de Doutoramento, Educação (Desenvolvimento Curricular), 9 de Dezembro de 2013, Universidade dos Açores.
URI: http://hdl.handle.net/10400.3/3084
Designação: Doutoramento em Educação
Aparece nas colecções:ESEPD - Teses de Doutoramento / Doctoral Thesis

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TeseDoutoramentoLuciaFatimaMotaFerreiraFreitas2013.pdf3,15 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.