Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.3/2969
Título: Idade e mercado de trabalho: O trabalho por um fio, o emprego por um canudo
Autor: Tomás, Licínio Manuel Vicente
Palavras-chave: Mercado de Emprego
Trabalho
Idade
Oportunidades
Data: Nov-2011
Editora: Universidade dos Açores
Citação: Tomás, Licínio M. Vicente (2011), "Idade e mercado de trabalho: O trabalho por um fio, o emprego por um canudo", in orgs. Susana Mira Leal e Suzana Nunes Caldeira, Formação de Adultos: desafios, articulações e oportunidades em tempo de crise. Ponta Delgada: Universidade dos Açores, pp. 127-140.
Resumo: Todas as épocas têm problemas específicos que, conjunturalmente, as singularizam e identificam no nexo do tempo histórico. Embora nenhuma época anterior tenha enaltecido o trabalho em demasia, somos herdeiros de uma tradição sociocultural em que se valorizava o "trabalhar" enquanto forma de reconhecimento dos indivíduos e meio de promoção profissional ao longo da vida. Facto frequentemente esquecido é que o trabalho começava em idades precoces, desempenhando um papel formativo do qual parece ter sido amputado, pelo menos nas idades abaixo dos 15/16 anos. Constatamos hoje que tanto o trabalho como a idade, independentemente das funções que cumprem, no plano social, económico e psicológico, constituem aspetos intrínsecos tanto na estruturação de papéis sociais como na formação de expectativas e referências culturais que a modernidade não aboliu. Contudo, numa altura em que o emprego para a vida se encontra em vias de extinção e o acesso a uma profissão, esse, dificultado em virtude tanto da tendência de precariedade do enquadramento laboral a que se assiste como da restrição de oportunidades de carreira, importa analisar o quanto a posse de um diploma se transformou, simultaneamente, numa regra de estar em sociedade e num requisito para aceder a um posto de trabalho remunerado, isto é, a um emprego. Efetivamente: os portadores de diplomas disputam não tanto o trabalho em si, mas, mais legitimamente que os "não possuidores", um lugar no sistema de emprego compatível com as suas habilitações e competências adquiridas e estatutariamente reconhecidas. O trabalho, com estatuto de que decorrem vínculos, direitos e garantias, tomou-se um bem escasso e, por isso mesmo, é amplamente disputado num mercado de emprego altamente seletivo. São estes, em traços largos, os pontos principais que procuraremos desenvolver na presente comunicação, ao tipificarmos as diferenças entre a problemática do emprego, do trabalho e da profissionalização, relacionando-a com a idade e a escolarização no mundo atual.
Descrição: Texto seleccionado relativo ao Colóquio: "Formação de Adultos: Desafios, Articulações e Oportunidades em Tempo de Crise", Ponta Delgada, 2010.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.3/2969
ISBN: 978-972-8612-74-0
Aparece nas colecções:DHFA - Comunicações a Conferências / ConferenceItem

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
LMVT_IdadeMercadoTrabalho.pdf2,4 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.