Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.3/2417
Título: Planos de emergência familiar: estratégias de empowerment para uma cultura de precaução em risco sísmico
Autor: Arroz, Ana Margarida Moura
Rego, Isabel Estrela
Silva, Paulo Rogério
Neves, Isabel
Palavras-chave: Percepção de Risco Sísmico
Plano de Emergência
Data: 18-Out-2013
Editora: Universidade dos Açores
Citação: Arroz, A. M., Rego, I. E., Silva P., Neves, I. C., (2013). "Planos de emergência familiar: estratégias de empowerment para uma cultura de precaução em risco sísmico". «I Colóquio Internacional "(Des)Memória de Desastre"», Universidade da Madeira, Portugal, 18-19 Outubro de 2013 (Comunicação).
Resumo: Exploradas, em trabalhos anteriores, as perceções do risco de açorianos associadas a fenómenos sísmicos, constatou-se que apesar dos sismos serem percebidos como os desastres naturais mais graves no contexto local, não se observam práticas de precaução generalizadas. Por regra, os cidadãos não adotam medidas de prevenção e de socialização dos mais novos que melhor os habilitem a lidar com este tipo de situações. Esta inércia, partilhada por diferentes contextos geográficos e culturais, pode ser explicada como mecanismos tanto de evitamento, quanto de "adaptação" que os indivíduos manifestam quando vivem prolongadamente em circunstâncias de ameaça. Nesta comunicação são descritos os resultados preliminares de uma pesquisa participativa em curso que visa caraterizar as práticas de prevenção sísmica de famílias açorianas com dependentes a cargo e promover a sua capacitação e autonomia nesta matéria. Concretamente, pretende-se saber se estas possuem planos de emergência, conhecer as suas características e analisar as dinâmicas envolvidas na sua conceção e desenvolvimento. Foram entrevistadas 18 famílias terceirenses a quem solicitámos a construção de um plano de emergência familiar, quando este era inexistente. Numa segunda entrevista foram discutidos os planos resultantes e as dinâmicas familiares envolvidas na sua construção. Os resultados evidenciam que, por mais diversos que sejam os enquadramentos familiares em termos sociográficos e em experiência sísmica prévia poucos desenvolvem planos de emergência por mais precários que sejam. E mesmo, perante o repto lançado, os planos familiares mostraram-se muito insipientes.
Descrição: I Colóquio Internacional "(Des)Memória de Desastre". Universidade da Madeira, Portugal, 18-19 Outubro de 2013.
URI: http://hdl.handle.net/10400.3/2417
Aparece nas colecções:DEDU - Comunicações a Conferências / ConferenceItem

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
planos de emergência.pdf3,23 MBAdobe PDFVer/Abrir
Livro-de-Resumos_Abstract-Planos de Emergencia Familiar.pdfResumo279,54 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.