Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.3/2057
Título: Áreas Urbanas
Autor: Maduro-Dias, Francisco
Borges, Paulo A. V.
Gaspar, Clara
Silva, Luís
Palavras-chave: Ocupação do Espaço
Povoamento
Açores
Data: 2009
Editora: Ver Açor
Citação: Maduro-Dias, F. & Borges, P.A.V. (2009). "Áreas Urbanas". In P. Cardoso, C. Gaspar, P.A.V. Borges, R. Gabriel, I.R. Amorim, A.F. Martins, F. Maduro-Dias, J.M. Porteiro, L. Silva & F. Pereira (Eds.), «Azores : a natural portrait = Açores : um retrato natural». Ver Açor, Ponta Delgada: pp. 216-235.
Resumo: "[…]. A ocupação deu-se pela costa e implicou a largada de animais domésticos para desbravar o sub-bosque da densa vegetação que caracterizava a cobertura vegetal dos Açores. No entanto, muitos dos povoados iniciais dos Açores são mais interiores que costeiros ou, pelo menos, colocam-se no cimo de rochas, junto ao mar mas sobranceiras e difíceis de atingir. Nesta situação estão ainda hoje Vila do Porto em Santa Maria, o Topo em São Jorge, o vale dos Flamengos no Faial, São Sebastião, herdeira de Santana de Porta Alegre, na Terceira, as Lajes nas Flores. A segurança de terra e o receio do mar levavam a isso, mas a necessidade de um porto para comunicar obrigava à proximidade do oceano. Esse esforço de aproveitar as capacidades produtivas do território e garantir, ao mesmo tempo, as comunicações, tem um bom exemplo, ainda hoje disponível, no modo como Santa Cruz das Flores completa, junto à água, os pequenos povoados altaneiros, situados nas montanhas em redor. Visite-se ainda, como outro exemplo disso, o magnífico diálogo entre a Povoação, na ilha de São Miguel, bem próxima do mar e encaixada na foz de uma ribeira caudalosa, e as suas sete Lombas, terra adentro, onde, já longe do perigo e sobre melhores espaços de cultivo, asseres humanos se instalaram, vigiando. Assim, entre o mar, por um lado, e as cordilheiras e planaltos centrais selvagens no sentido que mantinham uma densa floresta subtropical (designada por Laurissilva), por outro, os primeiros Açorianos estabeleceram-se, procurando sempre cotas abaixo dos 400 metros de altitude, onde começam os nevoeiros e mares de nuvens mais frequentes. Aliás, os registos históricos mais antigos apontam para que apenas abaixo da cota dos 350 metros estivessem instaladas as terras de cultivo e habitações. São locais preferencialmente voltados a Sul e a Nascente para aproveitar o calor do Sol, evitar os vendavais mais frequentes, acautelar distâncias entre pontos necessários, garantir, em suma, o melhor conforto possível. […]".
Peer review: no
URI: http://hdl.handle.net/10400.3/2057
ISBN: 989-8123-16-9
Aparece nas colecções:DCA - Parte ou Capítulo de um Livro / Part of Book or Chapter of Book

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ACORESUmRetratoNatural_Int10.pdf8,77 MBAdobe PDFVer/Abrir    Acesso Restrito. Solicitar cópia ao autor!


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.