Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.3/1593
Título: Revisão sobre os Morcegos do Arquipélago dos Açores : contribuição para a sua conservação
Autor: Lopes, Mónica
Medeiros, Fátima
Palavras-chave: Conservação
Conservation
Ilha de São Jorge
São Jorge Island
Nyctalus azoreum
Pipistrellus sp.
Data: 2012
Editora: Universidade dos Açores
Citação: Lopes., M. & F. Medeiros (2012). Revisão sobre os Morcegos do Arquipélago dos Açores. Contribuição para a sua Conservação. "Relatórios e Comunicações do Departamento de Biologia", 40: 97-105.
Relatório da Série N.º: Relatórios e Comunicações do Departamento de Biologia da Universidade dos Açores;40
Resumo: Nos Açores têm ocorrido, pelo menos, três espécies de morcegos Nyctalus azoreum (morcego dos Açores); Myotis myotis (morcego-rato-grande) e Pipistrellus maderensis (morcego da Madeira). Este número pode ascender a quatro espécies se a presença de Pipistrellus pipistrellus (morcego-anão) for confirmada, no arquipélago. Em São Jorge é conhecida a presença de N. azoreum, espécie endémica, e de uma espécie desconhecida do género Pipistrellus. O morcego dos Açores é o único mamífero endémico destas ilhas, e mostra caracteres únicos relativamente aos da espécie continental mais próxima Nyctalus leisleri (morcego-arborícola-pequeno), designadamente: menor tamanho, pelo mais escuro, chamamentos de ecolocação com frequência mais elevada e hábitos diurnos. Apesar de apresentar baixos níveis de diferenciação genética relativamente à espécie parental, as populações dos Açores não estão depauperadas e mostram descontinuidade significativa (as de São Miguel relativamente às do grupo central). É abundante em algumas ilhas, e raro noutras. Devido a este facto e ao seu tamanho populacional pequeno, esta espécie endémica, é classificada como vulnerável na lista vermelha de IUCN e criticamente ameaçada no Livro Vermelho de Vertebrados de Portugal. Como é exclusivamente insetívora, é potencial predadora de insetos prejudiciais à Agricultura e à Saúde Humana. Pouco se sabe acerca das outras espécies de morcegos, para além da sua distribuição extremamente reduzida, fragmentada e restringida a poucos locais. O reduzido tamanho populacional e o isolamento das diferentes populações destes morcegos, bem como os carateres únicos do morcego endémico, realçam o seu grande valor conservacionista. O objetivo principal deste trabalho foi identificar eventuais alterações quantitativas e qualitativas das espécies de morcegos anteriormente registadas, em São Jorge. Os resultados foram os seguintes: 1) foi confirmada a presença de duas espécies de morcegos, N. azoreum e de outra espécie, do género Pipistrellus; 2) o morcego dos Açores parece evidenciar uma distribuição heterogénea; 3) foram confirmados os hábitos diurnos da espécie endémica, ao fim do dia e detetada atividade também durante a manhã; 4) o género Pipistrellus foi detetado apenas num local, coexistindo com N. azoreum.
Descrição: XV Expedição Científica do Departamento de Biologia - São Jorge 2011.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.3/1593
ISBN: 978-972-8612-84-9
Aparece nas colecções:DBIO - Relatórios Técnicos / Technical Reports

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
RelComDB-n40 97-105 SJorge_revisao morcegos acores.pdf1,5 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.