Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.3/1234
Título: A Companhia Exportadora Micaelense entre a imitação e a inovação : dirigir, contar e vender (1872-1881)
Outros títulos: Companhia Exportadora Micaelense, between imitation and innovation: managing, counting and selling (1872-1881)
Autor: Dias, Fátima Sequeira
Palavras-chave: Crise Económica
História Económica Açoriana (séc. XIX)
Exportadora Micaelense (1872)
Ananás
Laranja
Economic Crisis
Orange
Pineapple
Data: 2009
Editora: Universidade dos Açores
Citação: "ARQUIPÉLAGO. História". ISSN 0871-7664. 2ª série, vol. 13 (2009): 119-156
Relatório da Série N.º: História. 2ª série;vol. 13
Resumo: Fundada em 1872, a companhia Exportadora Micaelense vigorou durante vinte anos, organizando a produção de laranja, concedendo crédito, fretando navios, agrupando a oferta e diversificando os mercados, no pressuposto de que uma gestão eficiente dos factores seria condição suficiente para afastar da ruína os proprietários das quintas e derramar, uma vez mais, a prosperidade pela ilha. Na luta pela justa remuneração do capital aos accionistas, coube à Exportadora Micaelense a estratégia de se especializar na exportação de ananás. A prática da gestão não deixou, assim, de ser uma mais-valia para os sócios da Exportadora Micaelense: não salvou a laranja, mas ofereceu uma oportunidade ao ananás, como se verifica através da correspondência comercial.
ABSTRACT: Founded in 1872, the Companhia Exportadora Micaelense (São Miguel Export Company) was in business for twenty years, organising orange production, providing credit, chartering ships, concentrating the supply and diversifying the markets, in the assumption that an efficient management of the different factors would be enough to drive the island’s farm owners away from financial ruin and once again spread prosperity throughout the island. In a struggle for a fair return on the capital invested by its shareholders, the Exportadora Micaelense specialised in the exportation of pineapple. Thus, the management practice continued to be an asset for the company’s partners; it did not save orange production, but it offered an opportunity to pineapple production, as one can see through its business correspondence.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.3/1234
ISSN: 0871-7664
Aparece nas colecções:ARQ - Hist2s - Vol 13 (2009)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
FatimaSequeiraDias_p119-156.pdf199,88 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.