Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.3/1193
Título: Projecto - VII Expedição Científica do Departamento de Biologia - São Jorge e Topo 1992.
Autor: Oliveira, José N. B.
Fernandes, José G. C.
Tavares, João
Cunha, Regina Tristão da
Furtado, Duarte
Palavras-chave: Ambiente
Antropologia
Entomologia
Expedição Científica
Flora e Vegetação
Geografia Física e Humana
Ilha de S. Jorge e Topo (Açores)
Luta Biológica
Malacologia
Mamalogia
Microbiologia
Parasitologia
Predadores Entomófagos
Protecção da Natureza
Química Biológica
Data: Jun-1992
Editora: Universidade dos Açores
Citação: OLIVEIRA, J.N.B., J.G.C. FERNANDES, J. TAVARES, R.T. CUNHA & D. FURTADO (1992). Projecto - VII Expedição Científica do Departamento de Biologia: São Jorge e Topo 1992. Universidade dos Açores, Departamento de Biologia, 40 pp..
Resumo: "Esta a ilha de S. Jorge a 38º, 40' lat. N. e 19º, 7' long. O. no oceano atlântico, orientada no rumo O. N. O. Faz parte do grupo central das das ilhas dos Açores, tendo na sua vizinhança servindo-lhe de sentinelas: a leste a Terceira, ao norte a Graciosa, ao sul o Pico e a oeste o Fayal. No centro de todas estas nenhuma outra do archipelago gosa de tão bello panorama. O seu comprimento conforme os melhores cálculos, é de 65 kilometros e largura media 4 kilometros, com uma superficie de 260 kilometros quadrados e o desenvolvimento total da costa de 162 kilometros. Segundo o Dicionário de Geografia Universal, dista 35 kilometros da ilha Graciosa e quasi egual distancia da Terceira - 20 kilometros do Pico, - 150 de S. Miguel, - 215 de Santa Maria, - 30 do Fayal, - 155 das Flores e 170 do Corvo. Esta ilha, diz o mesmo Dicionário 2º vol. pag. 828, artigo S. Jorge, é de origem vulcânica, cortada em toda a extensão por uma fragosa cordilheira de mediana elevação e sugeita a violentos abalos de terra, tendo havido algumas notáveis erupções, taes como as de 1580, 1757 e 1808, sendo impetuosa e durando alguns dias a torrente de lavas, que correu até ao oceano, principalmente na primeira d'estas erupções (e também na terceira acrescento). O littoral está cercado de rochas alcantiladas, negras e elevadas em geral, cortadas a prumo. Mas, se o aspecto das costas é triste, admira-se todavia na costa do norte a sua belleza selvagem, e na costa do sul e effeito delumbrante produzido pelas quedas d'agua das muitas ribeiras que se precipitam no atlântico. São poucas as enseadas acessíveis a embarcações, sendo porém, a costa do sul menos escabrosa que a do norte. Entre os principaes portos contam-se, contudo, os das villas Velas, Calheta e Topo, no primeiro dos quaes ha excellente cães, onde podem atracar as embarcações d'alto bordo". [...]
Descrição: VII Expedição Científica do Departamento de Biologia - São Jorge e Topo 1992 (Projecto).
URI: http://hdl.handle.net/10400.3/1193
Aparece nas colecções:DBIO - Relatórios Técnicos / Technical Reports

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
VII_ExpedicaoCientificaDB_Sao JorgeTopo1992_Projecto.pdf6,7 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.